Zona Leste: Jequitibá-rosa dá sinais de recuperação com aumento de folhas

Compartilhe:

Quatro meses após ser alvo de incêndio, o jequitibá-rosa do distrito de Eugênio de Melo, na zona leste de São José dos Campos, ganhou nova vida. Apesar do pouco tempo de tratamento intensivo realizado pela Prefeitura, o resultado positivo já é visível para todos os motoristas e pedestres que passam pela Estrada Velha Rio-São Paulo, onde a árvore símbolo da cidade está instalada há cerca de 510 anos.

Foto: PMSJC

As sessões de adubação química e de aplicação de fungicidas e inseticidas para o controle de pragas e doenças, como as realizadas nesta sexta-feira (4), têm contribuído para garantir o aumento do volume de folhas, que agora estão com a coloração verde próxima da original.

Desde o incêndio em 11 de abril último, a Prefeitura de São José adotou um sistema especial de monitoramento constante da árvore, com visitas técnicas semanais para acompanhar a resposta fisiológica e identificar com mais rapidez a necessidade de eventuais ações emergenciais.

Recuperação

A próxima sessão de adubação química será realizada daqui a três meses. Já a data da nova aplicação de inseticidas e fungicidas dependerá do monitoramento que está sendo realizado.

As duas frentes de atuação se complementam e têm como objetivo atuar no combate a cupins e larvas de besouro, além de revigorar a copa da árvore e repor os nutrientes.

O novo plano de recuperação do jequitibá foi definido após vistoria técnica realizada por funcionários da Prefeitura no dia 4 de maio, quando ficou constatado que o incêndio não atingiu profundamente o tecido vivo, o que tem facilitado os novos procedimentos.

Após o incêndio no dia 11 de abril, já foram plantadas 12 árvores no entorno do jequitibá-rosa. São elas: 4 ipês-rosas, 2 ipês-brancos, 2 jequitibás-rosas, 2 mirindibas e 2 sibipirunas.

Desde 2006, está em execução um plano de recuperação do jequitibá-rosa de Eugênio de Melo, que foi intensificado para que a árvore possa voltar o quanto antes à situação pré-incêndio, o que deverá levar cerca de quatro anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *